Google+ Followers

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Entrego-me ao amor por desejo, não por coragem

Eu vi o mar!
Essa foi a exclamação de uma criança encantada com a natureza. E o som com que ela pronunciou tal achado soou tão bom quanto viver. Ela disse isso sentindo.
É tão sublime sentir amor!
A dificuldade que o adulto tem em amar é a superação do medo, da decepção, da vingança ou de tudo isso junto. O adulto encontra dificuldade porque não vive o que fala; diz por serem palavras bonitas ou agradáveis, mas não há entrega.
A criança se diverte com o amor, compartilha-o e não quer (ou não sabe) explicá-lo; isso é coisa de sentir, de dividir com alguém -como um brinquedo num parque, onde tem que brincar ao par.
"Entrego-me como criança ao amor. Como uma criança que deseja muito um presente e recebe-o depois de tanto tempo, entrego-me ao amor."  O poeta referiu-se ao adulto capaz, referiu-se àquele que, altruisticamente dá sem exigir nada em troca. (O Filho do homem não veio para que se lhe ministrasse, mas para ministrar e dar a sua alma como resgate em troca de muitos.” (Mateus 20:28)) 
Entrego-me ao amor por desejo, não por coragem, porque o que consome a minha mente é querer amar, precisar amar e ter que amar, ainda assim, se dependesse da minha coragem em fazê-lo demoraria mais do que eu tenho vida para tal.
Que o nosso bondoso, onipotente, santo, leal e fiel Deus Jeová nops dê um bom dia de felicidade, direção, sabedoria, proteção e amor em nome de nosso Senhor Jesus Cristo!

                                                                 Joca Vitorino

Pensamento: “Há um só Deus e um só mediador entre Deus e homens, um homem, Cristo Jesus,   o qual se entregou como resgate correspondente por todos — [isto é] o que se há de testemunhar nos seus próprios tempos específicos.” (1 Timóteo 2:5, 6)

Nenhum comentário:

Postar um comentário