Google+ Followers

terça-feira, 5 de novembro de 2013

Meninos de rua

Imagem e texto de hoje:
A nossa nação soberana é o coração.
Um dia, pessoas quais ratos varavam as ruas, gritando atrás de um saco de lixo de supermercado - um horror!
Crianças dormindo nas calçadas, pedindo às pessoas um pouco de afeto financeiro que é o único que elas elas conhecem.
Crianças -acreditem!- drogadas, corpos usados, maltratados, sujos e cansados. Corpos infantis-juvenis-adultos-idosos. Mentes dilaceradas, conturbadas, perturbadas, sofridas.
Família para elas é um pedaço de pão.
Uma mão estendida. (Você tem coração?)
Uma prece não ouvida. (Nem aperto de mão).
A poesia toda-concreta do dia a dia é um tiro. Ou uma facada.
Não se pode dizer tudo. Nem se pode dizer nada... se quiser viver.
Ninguém acredita em palavras salvadoras das almas de outrem; isso se chama egoísmo.
Para os meninos de rua uma pessoa acadêmica é o mais distante possível da realidade.
A única realidade que eles conhecem é roubar o próximo (amor ninguém ensinou), é mentir pra todos e fugir da polícia.
Menino de rua é o que sempre é notícia. E o que se faz por eles?
Crianças de rua, seres surreais. Tão iguais a ninguém. Exclusivos.
Uma benção é uma palavra, apenas, em seu vocabulário.
Esperança eles tem como algo distante e quase impossível.
Agora, um segredo: basta que cada um de nós, que lermos essas palavras, levemos um pouco de nós para o próximo e os meninos de rua serão apenas lenda, histórias de terror real para se contar aos que virão.
Acreditem, ajudem. As pessoas mudam, todos nós mudamos. Que seja para melhor!-Joca Vitorino
Leia Tiago 5:19, 20.
Que o nosso atencioso, amoroso e justo Deus Jeová nos dê um bom dia de paz, frutos do espírito santo, bençãos de proteção e felicidade em nome de nosso Senhor Jesus Cristo!

                                                                    Joca Vitorino

Pensamento: "Lembra-te, pois, do teu Grandioso Criador nos dias da tua idade viril, antes que passem a vir os dias calamitosos ou cheguem os anos em que dirás: "Não tenho agrado neles." (Eclesiastes 12:1)

Nenhum comentário:

Postar um comentário