Google+ Followers

quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Por que obedecer mesmo quando estiver só?


AJUDE  SEUS FILHOS A ENFRENTAR SEUS MUITOS DESAFIOS
NOSSOS jovens sofrem muita pressão. Estão expostos ao espírito do maligno mundo de Satanás e precisam lutar contra os “desejos pertinentes à mocidade”. (2 Tim. 2:22;1 João 5:19) Além disso, por procurarem ‘lembrar-se de seu Grandioso Criador’, enfrentam zombaria — até mesmo hostilidade — da parte dos que se opõem às suas crenças. (Ecl. 12:1) Recordando sua mocidade, um irmão chamado Vincent diz: “Sempre havia alguém que me hostilizava, que me ofendia ou que queria brigar comigo só porque eu era Testemunha de Jeová. Muitas vezes a situação ficava tão ruim que eu não queria mais ir à escola.”*
Além das pressões do mundo, nossos filhos talvez tenham de lutar contra seu próprio desejo de ser igual aos colegas. “Não é fácil ser visto como diferente”, diz Cathleen, uma irmã de 16 anos. Alan, de 21 anos, admite: “Muitas vezes, meus colegas de escola me convidavam para sair nos fins de semana e minha vontade era aceitar o convite.” Há também o desejo de participar em eventos esportivos na escola, que facilmente resulta em más companhias, e pode ser forte. “Eu amo os esportes”, diz uma jovem irmã chamada Tanya. “Os treinadores na escola sempre queriam que eu jogasse no time. Era difícil recusar.”
Como você pode ajudar seus filhos a enfrentar esses e muitos outros desafios? Jeová encarregou os pais de orientar os filhos. (Pro. 22:6; Efé. 6:4) O alvo dos pais tementes a Deus é desenvolver no coração dos filhos o desejo de obedecer a Jeová. (Pro. 6:20-23) Desse modo, eles serão motivados a resistir às pressões do mundo mesmo fora da vista dos pais.
É um desafio para os pais ganhar o sustento, criar uma família e cuidar de atividades congregacionais — tudo ao mesmo tempo. Alguns precisam fazer tudo isso sozinhos ou contra a vontade de um cônjuge descrente. Ainda assim, Jeová requer que os pais tirem tempo para ensinar e ajudar os filhos. O que você pode fazer para ajudar os filhos a desenvolver uma forte defesa contra as pressões de colegas, tentações e hostilidades que enfrentam quase todos os dias?
Relação pessoal com Jeová
Em primeiro lugar, nossos jovens precisam conhecer a Jeová como Pessoa real. Precisam de ajuda para ‘ver Aquele que é invisível’. (Heb. 11:27) Vincent se lembra de como seus pais o ajudaram a desenvolver uma relação pessoal com Jeová. Ele conta: “Eles me ensinaram o valor da oração. Lembro-me de que desde criancinha eu orava a Jeová todas as noites antes de me deitar. Jeová era uma pessoa real para mim.” Você ora com seus filhos? Fique atento ao que eles dizem a Jeová nas orações deles. Repetem sempre as mesmas palavras? Ou expressam o que realmente sentem por Jeová? Ouvir as orações dos filhos é uma maneira de avaliar o progresso espiritual deles.
Ler a Palavra de Deus é outro modo importante de os jovens se achegarem a Jeová. Cathleen diz: “Ler a Bíblia inteira desde bem jovem me ajudou. Deu-me confiança de que, mesmo se certas pessoas se opusessem a mim, Jeová me apoiaria.” Será que seus filhos têm seu próprioprograma de leitura da Bíblia? — Sal. 1:1-3; 77:12.
É verdade que nem todas as crianças reagem do mesmo modo às orientações dos pais. E seu progresso espiritual pode depender da idade delas. Mas, sem orientação, será difícil os jovens virem a conhecer a Jeová como Pessoa real. Os pais devem incutir nos filhos as palavras de Jeová de modo a poderem ouvi-Lo falar, por assim dizer, onde quer que estiverem. (Deut. 6:6-9) Seus filhos devem crer que Jeová se importa pessoalmente com eles.

Como tornar significativa a comunicação

A comunicação é mais uma maneira vital de ajudar os filhos. Boa comunicação não é apenas falar com os filhos. Inclui fazer perguntas e ouvir com paciência as respostas — mesmo que essas não sejam o que você gostaria de ouvir. “Faço perguntas até ter certeza de que entendi o que eles pensam e o que estão enfrentando no momento”, diz Anne, mãe de dois meninos. Será que seus filhos notam que você realmente escuta quando falam? Tanya diz: “Meus pais prestavam atenção quando eu falava, e não se esqueciam de nossas conversas. Eles sabiam o nome dos meus colegas de classe. Perguntavam a respeito deles e de outras coisas sobre as quais já havíamos conversado.” Ouvir e lembrar-se do que foi dito são essenciais para uma comunicação bem-sucedida.
Muitas famílias descobriram que a hora das refeições oferece boas oportunidades para uma comunicação significativa. “Comermos juntos era importante na nossa família”, explica Vincent. “Esperava-se que estivéssemos à mesa com a família sempre que possível. Não era permitido ver televisão, ouvir rádio ou ler durante as refeições. Visto que as conversas em geral eram leves, eu tinha todos os dias alguns momentos de calma que contrabalançavam a agitação e as pressões na escola.” Ele acrescenta: “O costume de falar com meus pais às refeições me deixava mais à vontade para falar com eles quando precisava de ajuda em assuntos mais sérios.”
Pergunte-se: ‘Quantas vezes por semana tomamos refeições juntos como família?’ Será que com alguns ajustes nessa área você poderia aumentar e melhorar a comunicação com os filhos?

Por que os ensaios são valiosos

Uma noite de Adoração em Família semanal também estimula conversas significativas e ajuda os jovens a lidar com problemas específicos. Alan diz: “Meus pais usavam o estudo em família para sondar nosso íntimo. Abordavam assuntos relevantes para aquilo que enfrentávamos no momento.” Sua mãe diz: “Usávamos parte do tempo de estudo para realizar ensaios. Esses ensaios ensinaram nossos filhos a defender a sua fé e a provar que suas crenças são verdadeiras. Com isso eles ganharam a necessária confiança para enfrentar seus desafios.”
Diante da pressão de colegas, os jovens muitas vezes precisam fazer mais do que apenas dizer “não” e se retirar. Devem saber explicar por que fazem, ou não, certas coisas. Devem também ter confiança quanto a como enfrentar a zombaria por causa de sua fé. Se não souberem defender suas crenças, será difícil para eles tomarem uma posição destemida em favor da adoração verdadeira. Ensaios podem ajudar a desenvolver tal confiança.
O quadro “ENSAIOS PODEM AJUDAR” alista algumas situações que podem ser encenadas na noite de Adoração em Família. Torne-as realistas desafiando as respostas dos filhos. Nesses ensaios, considere também algumas das lições práticas tiradas de exemplos da Bíblia. Esse treinamento em casa sem dúvida preparará seus filhos para enfrentar os desafios na escola ou em qualquer outro lugar.

ENSAIOS PODEM AJUDAR

Seguem alguns exemplos de situações que nossos jovens enfrentam. Que tal ensaiar algumas dessas situações nas noites de Adoração em Família?
  • Um treinador pede à sua filha que entre no time da escola.
  • Alguém oferece um cigarro ao seu filho na volta da escola.
  • Alguns rapazes ameaçam surrar seu filho caso o vejam de novo pregando.
  • Trabalhando de casa em casa no serviço de campo, sua filha encontra uma colega de escola.
  • Diante da classe, perguntam à sua filha por que ela não saúda a bandeira.
  • Um garoto sempre zomba de seu filho por ser Testemunha de Jeová.

É seu lar um abrigo seguro?

É seu lar o tipo de lugar para o qual seus filhos gostam de voltar depois das aulas? Se for um abrigo seguro, isso os ajudará a enfrentar seus desafios diários. Uma irmã betelita diz: “Quando eu era jovem, uma das coisas mais importantes para mim era que o nosso lar era um abrigo seguro. Por pior que fosse a situação na escola, eu sabia que em casa tudo ficaria bem.” Qual é o ambiente no seu lar? É um lugar de frequentes ‘acessos de ira, contendas e divisões’ ou um refúgio de ‘amor, alegria e paz’? (Gál. 5:19-23) Se a falta de paz for uma constante no seu lar, você se esforça arduamente para descobrir que mudanças são necessárias a fim de torná-lo um abrigo seguro para seus filhos?
Outro modo de ajudar os filhos a enfrentar desafios é providenciar companheirismo edificante para eles. Por exemplo, poderia incluir na recreação de sua família alguns irmãos da congregação que tenham boa espiritualidade? Ou oferecer uma refeição para o superintendente viajante ou outros que servem em tempo integral? Conhece alguns missionários ou betelitas com os quais seus filhos poderiam desenvolver uma amizade, mesmo que seja apenas por carta, e-mail ou telefone? Tais relações podem ajudar seus filhos a trilhar os caminhos da vida e a desenvolver alvos espirituais. Pense na boa influência do apóstolo Paulo sobre o jovem Timóteo. (2 Tim. 1:13; 3:10) A estreita associação com Paulo ajudou Timóteo a manter a mente centrada em alvos espirituais. — 1 Cor. 4:17.

Elogie os filhos

Jeová se alegra em ver os jovens se apegarem ao que é certo, apesar das pressões do mundo de Satanás. (Sal. 147:11; Pro. 27:11) Sem dúvida, você também se alegra em ver os nossos jovens escolherem o proceder sábio. (Pro. 10:1) Diga a seus filhos o que sente por eles, e seja generoso em elogiá-los com amor. Jeová deu um excelente exemplo para os pais. No batismo de Jesus, ele disse: “Tu és meu Filho, o amado; eu te tenho aprovado.” (Mar. 1:11) Quanta força essa afirmação de seu Pai deve ter dado a Jesus para enfrentar os muitos desafios que o aguardavam! Da mesma forma, diga aos seus filhos que você os ama e mostre reconhecimento pelo que realizam.
É verdade que você não pode isolar seus filhos das pressões, hostilidades e zombarias. Mas pode fazer muito para ajudá-los. Como? Ajude-os a desenvolver uma relação pessoal com Jeová. Crie um clima que estimule conversas significativas. Torne prática a noite de Adoração em Família e faça de seu lar um abrigo seguro. Isso sem dúvida preparará os filhos para enfrentar seus muitos desafios.
Publicado em  A Sentinela  de 15 de janeiro de 2010




ASSOCIAÇÃO TORRE DE VIGIA DE BÍBLIAS E TRATADOS

Nenhum comentário:

Postar um comentário